Quem somos

O SIGET – Simpósio Internacional de Gêneros Textuais, começou em 2003, na Universidade Estadual de Londrina, em Londrina-PR, por iniciativa das pesquisadoras Elvira Lopes Nascimento e Vera Lúcia Lopes Cristóvão, sob o título de I Simpósio Internacional de Linguística Contrastiva e Gêneros Textuais. Nessa primeira edição, tratou de abordar a pesquisa sobre gêneros textuais no Brasil, temática que norteou também a sua segunda edição, ocorrida no ano de 2004, em União da Vitória-PR, sob a coordenação de Acir Mário Karwoski.

Em 2005, em Santa Maria-RS, sob a coordenação de Désirée Motta-Roth, problematizou a importância de uma agenda político-pedagógica relacionada às questões sobre gêneros textuais, bem como a relação destes com as políticas públicas governamentais.

Em 2007, em sua 4ª edição, sob a coordenação de Adair Bonini, Débora de Carvalho Figueiredo e Fábio José Rauen, foram problematizadas as correntes diversas de estudos de gêneros textuais/discursivos, além de ter se iniciado o processo de internacionalização do evento.

Em 2009, na 5ª edição, coordenado por Marcos Baltar, o evento privilegiou questões sobre o ensino de línguas, tomando como unidade de ensino os gêneros textuais e sinalizando relações entre os gêneros textuais e os letramentos, temática que viria a nortear a 6ª edição do SIGET, ocorrida em Natal-RN, em 2011, sob liderança de Maria do Socorro Oliveira e de sua equipe.

Em 2013, na 7ª edição, em Fortaleza, CE, sob a coordenação de Antônia Dilamar Araújo e Júlio Araújo, o SIGET promoveu a discussão a respeito do funcionamento dos gêneros textuais/discursivos nas múltiplas esferas da atividade humana.

Em 2015, em 8ª edição, na Universidade de São Paulo, liderado por Eliane Gouvêa Lousada, em parceria com Unicamp, Unesp e Universidade São Francisco, o evento tratou de discutir a seguinte questão:  Os diálogos que são feitos no Brasil em relação aos estudos de gêneros constituem uma escola brasileira para o estudo de gêneros?

Agora, em sua 9ª edição, na UFMS-Campo Grande-MS, o SIGET convida pesquisadores em geral a discutir a questão da Pesquisa e do Ensino de Gêneros textuais/discursivos para a participação social, numa sociedade que reclama por investigações de natureza inter/trans/indisciplinar, além de demandar de nós pesquisadores estudos centrados não apenas no texto verbal e escrito, mas nas múltiplas linguagens, mídias e culturas que configuram a produção de sentidos na contemporaneidade.